Fraturas do Punho

Rui Ferreira - Mauri Cortez

O Que é

O que é:

O punho é composto de 8 pequenos ossos distribuidos em duas fileiras. Fileira proximal: Escafóide, semilunar, piramidal e pisiforme e a distal: trapézio, trapezóide capitato e hamato. Dois ossos do ante braço, rádio e ulna.
Sua forma, articulações e disposição permite movimentos de lateralidade, rotação, extensão e flexão.
As frautras da extremidade distal dos ossos do punho são conhecidas de longa data. POUTEAU 1783 e COLLES 1814 já descreveram estas lesões que ainda hoje um tipo de fratura do punho leva o nome de fratura de Pouteau-Colles.

O Que Causa

Queda com o punho em extensão ou trauma direto.
Qualquer um desses ossos pode sofrer fratura seja for queda ou traumatismo direto.
O escafóide com 78% e o piramidal com 13% são os osso mais frequentemente fraturados.
Algumas doenças ou estados podem favorecer as fraturas como a osteoporose por exemplo.

Sinais e Sintomas

Edema, hematoma, dor, deformidade e impotência funcional são os sintomas frequentes de quase todas as fraturas.

Diagnóstico

História de traumatismo ou queda. Exame visual que mostra a deformidade dando indícios que uma fratura é deslocada ou não. Rx. Algumas fraturas em especial, ESCAFÓIDE, necessitam exames sequenciais pois num primeiro Rx pode não mostrar a fratura. A Tomografia Computadorizada -TC e a Ressonância Nuclear Magnética - RNM são de grade auxilio no estudo destas fraturas ocultas.

Tratamento

No diagnóstico a primeira coisa a ser feita é se a fratura é deslocada ou não. Em casos de deformidade haverá necessidade de um procedimento de urgência - REDUÇÃO, que consiste em aplicar um tipo de anestesia, e colocar os ossos na sua posição de origem - reduzir. Nesse primeiro diagnóstico, o especilista diferencia também entre as fraturas estáveis, as que mesmo deslocadas, reduzidas e imobilizadas não mudarão de comportamento durante o período de consolidação de 3 a 9 semanas dependendo da fratura a REDUÇÃO e IMOBILIZAÇÃO é o tratamento.
Outras, deslocadas ou não são por natureza instáveis que necessitam além da REDUÇÃO, nas fraturas deslocadas, FIXAÇÃO - com vários materiais.
O tempo de imobilização depende do tratamento realizado e da fratura. A tendência é o emprego de material cada vez mais rígidos para uma mobilização precoce o que diminui os riscos das complicações mais comuns nas fraturas, a rigidez.